10/02/2019 07:52

Empresa potiguar tem meta de faturar 8 milhões de dólares em 10 meses

Empresa potiguar tem meta de faturar 8 milhões de dólares em 10 meses

A Dibs.digital tem metas ousadas. A empresa potiguar responsável pela criação da criptomoeda Dibscoin espera faturar 8 milhões de dólares em 10 meses de atuação da criptomoeda, valor que deve ser triplicado em 20 meses, a partir da comercialização de cotas de ferramentas da empresa. Para chegar a estes números, a Dibscoin conta não apenas com a tradicional lei da oferta e da procura, fato primordial para a valorização do ativo, mas também com todo o projeto que foi construído para lhe dar suporte.

“São ações que trarão benefícios para o comércio real, há valor agregado. O interesse passa a surgir não apenas pelo valor da moeda, mas pela economia que está se criando em torno dela”, explica Rafael Mendonça, CEO da startup, que estará em São Paulo durante esta semana para se reunir com diretores de um banco. No encontro, tratará da possibilidade de firmar sociedade para o lançamento de um Exchange. Também na capital paulista, o CEO da Dibs.digital realizará uma palestra dentro da programação da Campus Party, maior evento sobre tecnologia do Brasil.

Startup potiguar lança criptomoeda com tecnologia pioneira na América Latina

 

Metrópole Digital

Rafael Mendonça aborda ainda a dificuldade para se encontrar mão de obra qualificada neste que é um dos mercados de trabalho mais promissores do planeta. O empresário cobra inclusive mais investimentos da iniciativa privada para capacitar novos talentos. Para isso, a Dibs.digital planeja implantar em 2020 um curso de pós-graduação em parceria com a UFRN.  “Não se vê investimentos de empresas em novos profissionais, mas existem bons profissionais e interessados em aprender”, completa.

O CEO revela que levará sua empresa para o Metrópole Digital, da UFRN, não devido à estrutura física, “mas porque o IMD é uma vitrine, que ajuda muito o RN e não tem o apoio que merece do governo. O Metrópole já trouxe muitos investimentos para o Estado, fez com que empresas se lançassem ao mundo e poucos sabem disso”.