P-47 Aviação e História

Air Force Two pousou em Natal com Joe Biden em 2014

Air Force Two pousou em Natal com Joe Biden em 2014

C-32 em aproximação final para pouso em Natal (Foto: Leonardo Dantas)

Em 16 de junho de 2014, o presidente eleito dos EUA, Joe Biden esteve em Natal para acompanhar o jogo entre a seleção americana de futebol contra Gana. Na tarde daquele, duas aeronaves C-32 de matrículas 80001 e 80002, variantes do Boeing 757 utilizados pela Força Aérea dos Estados (USAF), pousaram na pista da Base Aérea de Natal (Bant) e em uma delas estava a bordo o então vice-presidente Biden. Outras duas aeronaves C-17 já se encontravam na pista desde o dia anterior, quando trouxeram carros, diversos equipamentos e pessoal do Serviço Secreto Norte-americano, que fizeram a segurança da autoridade. 

Momento do pouso com as aeronaves de apoio C-17 na pista da BANT (Foto: Leonardo Dantas)

[Áudio] Avião da FAB declara emergência após decolar de Natal

[Áudio] Avião da FAB declara emergência após decolar de Natal

Avião U-100 da FAB é similar ao Phenom 100EV civil da Embrar (Foto: FAB)

Uma aeronave U-100 da Força Aérea Brasileia (FAB) declarou emergência após decolagem da Base Aérea de Natal (Bant), na noite desta terça-feira, 3, o que obrigou um voo de quase uma hora sobre a capital potiguar com objetivo de “queimar combustível” e realizar o retorno em segurança. A manobra foi um sucesso e a aterrissagem ocorreu sem maiores imprevistos.

Logo que decolou, o piloto da aeronave de matrícula FAB 3702 comunicou a torre de controle a emergência, informando ter problemas no sistema do avião, contudo, estava com o U-100 sob controle. Utilizando o indicativo Guará 02, o comandante afirmou que faria a queima de combustível para “respeitar o peso de pouso”, indicando ainda algum problema de navegação e nos instrumentos, já que não quis perder a referência sobre Natal. Após alguns minutos, foi reportado o controle total do voo, permitindo pouso seguro na Bant.

Trajeto feito pelo U-100 FAB 3702 sobre Natall, até o pouso (Reprodução: Fligth Radar 24)

O U-100 é a versão militar do jato Phenom 100, fabricado pela Embraer na Flórida (EUA). A FAB recebeu duas destas aeronaves no ano de 2019 e uma delas era o FAB 3702. Ele opera pela 6º Esquadrão de Transporte Aérea (6º ETA), a partir da Base Aérea de Brasília.

A condução da situação deu certo, resultando em pouso comunicado pelo controle aéreo como sucesso. Aguardar a informação oficial da FAB sobre o ocorrido.

No áudio, é possível ouvir qual a intenção do piloto e a resposta da torre, se precisaria de apoio em solo.

 

Conheça de perto o novo caça da FAB, o F-39E Gripen

Conheça de perto o novo caça da FAB, o F-39E Gripen

Você já conhece o novo caça da Força Aérea Brasileia (FAB), o F-39E “Gripen”? No último dia 23, a aeronave foi oficialmente apresentada em solenidade em Brasília. O canal Forças de Defesa fez um walkaround do aparelho e disponibilizou no youtube, registro essencial aos plastimodelistas que irão reproduzir em escala.

Link: Canal Forças de Defesa

 

[Dia do Aviador] 14-Bis em Natal no centenário do voo de Santos Dumont

[Dia do Aviador] 14-Bis em Natal no centenário do voo de Santos Dumont

Em 23 de outubro de 1906, o brasileiro Alberto Santos Dumont decolava o seu avião “14-Bis” do Campo de Bagatelle, cumprindo as exigências do Aroclube de Paris e entrando para a história como primeiro homem a voar em equipamento de propulsão própria, há exatos 114 anos.

Desde 1936, através da Lei nº 218, que se comemora em todo território nacional o Dia do Aviador, em homenagem ao feito de outubro de 1906. Em 2006, por meio do Decreto Lei nº 11.262, a decretou o Ano Nacional Santos Dumont, o Pai da Aviação.

Ainda em 2006, durante as celebrações do centenário, a Base Aérea de Natal recebeu a réplica do “14-Bis” construída pelo empresário goiano Allan Calassa. Infelizmente, devido ao forte vento, não foi possível repetir o feito de Santos Dumont.

Réplica do "14-Bis" em Natal, no ano de 2006 (Foto: Leonardo Dantas)

Link Relacionado: FAB transmite pelo youtube apresentação de novo caça

O avião secreto que passou por Natal na época da segunda guerra

O avião secreto que passou por Natal na época da segunda guerra

Um dos planos mais audaciosos da Segunda Guerra Mundial – envolvendo estratégia de ataque e aeronaves – teve Natal como peça fundamental para o sucesso, no que ficou conhecido como Operação Matterhorn. Em janeiro de 1943, durante a Conferência de Casablanca o assunto veio à tona, com a ideia do presidente Franklin Roosevelt bombardear o Japão utilizando aeronaves de grande autonomia, com sugestão de utilizar os populares B-24´s “Liberators”.

O plano passou o ano em suspensão, até que no final de 1943, o Estado Maior da Força Aérea do Exército dos Estados Unidos apresentou duas opções, uma utilizando as Ilhas Marianas e outra um deslocamento continental partindo dos EUA até a China, passando pelas Américas, África e Oriente Médio.

A primeira ideia dependia do avanço sobre as ilhas do Pacífico, principalmente, para ter um território seguro para pouso e decolagem, lembrando que desde 1941 com o ataque a Pearl Harbor, os japoneses foram conquistando muitos territórios, com lutas que se estenderam até 1945. Provavelmente, a maior derrota tenha sido em fevereiro do último ano, quando a Marinha dos EUA tomou Iwo Jima.

Já a segunda iniciativa, além de um deslocamento maior, necessitava de uma base permanente na Índia e aeródromos de apoio na China, o que demandava uma estrutura maior de tripulação, aeronaves, combustível, peças e meios aéreos. Esta se tornou a mais viável em 1943, com a construção destas bases ao longo de 1944 e a previsão de receber até 150 bombardeios B-29´s “Superfortaleza Voadora”.

Entre fevereiro e março de 1944, a base aérea de Parnamirim Field se torna a peça chave deste plano, quando o 40º Grupo de Bombardeio (40th Bombardment Group) deixa sua base no Kansas com destino final Chakulia, na Índia (No post sobre Trampolim da Vitória tem uma imagem desta rota). Ao passar por Natal, o grupo de aeronaves foi cerca de mistério e segurança, pois os B-29´s tinham pouco mais de um ano de operação e eram consideradas ultrassecretas. Há relatos de que a Militar Policy (MP) cercou a aeronave e impediu a aproximação das pessoas, pois o equipamento “não existia” para o público.

B-29 "Superfortaleza Voadora" no pátio de Parnamirim Field (Foto: Arcevo do autor)

Daqui, os aviões realizaram o famoso salto sobre o Oceano Atlântico, o que era considerado um desafio à época, mas ainda menos perigoso comparado ao que essas tripulações enfrentariam ao tentar passar pelo Himalaia em direção a China. Apenas em abril de 1944, de um único esquadrão pelo menos cinco Superfortalezas Voadoras caíram nesta tentativa.

Um dia antes do Dia-D na Europa, em 5 de junho de 1944, o 40º Grupo de Bombardeio realizaram o primeiro ataque partindo da Índia, tendo como alvo fábricas e ferrovias na Tailândia, totalizando mais de 3.600 km de viagem de ida e volta, a maior em distância realizada até então. Em 15 de junho, partindo da China, finalmente atinge alvos no Japão, entrando para a história, pois o último feito do tipo tinha ocorrida em 1942, no ataque de Doolittle (merece um post sobre este fato).

A estratégia se repetiu até fevereiro de 1945, quando o grupo foi transferido para as Ilhas Marianas, de onde continuaram a atacar o território japonês. Vale citar que foram modelos similares, as B-29´s “Enola Gay” e o “Bock´s Car”, que lançaram as bombas atômicas nos ataques de Hiroshima e Nagasaki, em 6 e 9 de agosto de 1945, respectivamente.

Blogs


Clique aqui e receba nossas notícias gratuitamente!