P-47 Aviação e História

A-4 "Skyhawks" da Marinha do Brasil passam pela Ala 10

A-4 "Skyhawks" da Marinha do Brasil passam pela Ala 10

Chegou à Base Aérea de Natal - Ala 10 - a segunda aeronave A-4, do 1º Esquadrão de Interceptação e Ataque (VF-1) da Marinha do Brasil, na tarde deste domingo (18). A primeira aeronave chegou na terça-feira (13) e a informação que ambas estão se dirigindo a região Norte, onde participarão de operação das Forças Armadas. Segue alguns registros deste domingo.

Quem batizou Parnamirim Field de "Trampolim da Vitória"?

Quem batizou Parnamirim Field de "Trampolim da Vitória"?

A importância de Parnamirim no cenário da segunda guerra mundial, sobretudo para as forças aéreas aliadas, é indiscutível e de merecimento ao título de “Trampolim da Vitória”, contudo e ao que tudo indica, o título não partiu dos norte-americanos.

O termo se tornou muito popular entre os pesquisadores e escritores nas décadas seguintes a guerra, ao ponto de se tornar sinônimo para a cidade de Parnamirim, atualmente, além de dar nome a empresas e empreendimentos, como o recente Centro Cultural Trampolim da Vitória (CCTV).

Encontramos a primeira referência a esse título em artigo do Diário de Pernambuco, de 23 de janeiro de 1943, assinado pelo magnata e pioneiro das comunicações brasileiro, Assis Chanteabriand. O texto fala de uma visita do ministro Salgado Filho aos aeródromos do nordeste brasileiro, entre os dias 20 e 22 de janeiro, entre eles o de Parnamirim Field.

Em 11de abril de 1943, uma matéria cita uma grande decolagem de aviões que foram combater na Tunísia partindo de Natal, apontada como o “Trampolim da Vitória”, inacessível aos inimigos. Um mês depois o exército alemão se rendia aos aliados, na Tunísia.

Outros nomes podem ser associados a Parnamirim Field, como “Crossroad of the World” ou “Jumper”, traduzidos como “Encruzilhada do Mundo” e “Salto ou Saltador”, respectivamente.

 

Por que o embaixador dos EUA visitou o cemitério do Alecrim em Natal?

Por que o embaixador dos EUA visitou o cemitério do Alecrim em Natal?

Um dos locais visitados pelo embaixador dos Estados Unidos, Todd Chapman, em sua visita recente ao Rio Grande do Norte, foi o cemitério do Alecrim, em Natal. Entre os compromissos oficiais, o diplomata tirou um tempo para visita o túmulo do único combatente americano remanescente da segunda guerra mundial que se encontra enterrado na cidade.

Trata-se do sargento Thomas Browning, falecido em 18 de julho de 1943, aos 22 anos, vítima de complicações causadas por doença infecciosa e que permaneceu na cidade a pedido da família. Abaixo segue a transcrição de uma das cartas trocadas entre o pai J. K. Browning e o então prefeito Sylvio Pedrosa.

--------- // ----------

THE HEEKIN CAN COMPANNY

Cincinnati, Ohio – USA

Norwood 12, 21 de novembro de 1947

DR. SYLVIO PEDROSA

Prefeito de Natal, RN, Brasil

Caro Sr. Pedrosa:

Muito grato por sua carta de 7 de novembro, meu filho Tom, amava o brasil e o povo brasileiro. Por outro lado, o Dr. Protásio Melo e outros tem sido extremamente bondosos e reconhecidos a mim, que me sinto extremamente gratificado da decisão de deixar Tom enterrado em seu belo cemitério.

O amigo de Tom, Dr Melo conseguiu que eu comprasse um monumento para ser posto no túmulo de Tom e o nosso governo está mandando uma pedra tumular para o mesmo.

Quando tudo estiver completado, pede ao Dr. Melo para conseguir alguém, no cemitério, para cuidar do túmulo de Tom. Sua simpática ação no momento me é bastante preciosa nesse respeito.

Foi um prazer, em meses recentes, conhecer várias pessoas de seu país. Entre elas está Leslie Ide, de São Paulo, que em breve voltará ao Brasil. Estou pedindo a Leslie que, se for a Natal, visita-lo e expressar-lhe, pessoalmente, meus mais sinceros agradecimentos.

Cordialmente, J. K. Browinng

---------- // -----------

Browning permanece sepultado entre outros túmulos, sem muita referência e em um local de difícil identificação. Existem duas identificações no local, um tipo de obelisco em cimento e outra em lápide de pedra, como descrito na carta enviada pelo pai.

O cemitério do Alecrim é mais um mito envolvendo os números da segunda guerra e Natal. Fala-se que o local chegou a ter 3 mil mortos de guerra entre 1941 e 1945, contudo, o registro oficial é que ao final do conflito, 214 urnas funerárias foram levadas da cidade, em um navio a serviço do Exército dos EUA.

Túmulo do sargento Thomas Browning (Foto: Frederico Nicolau)

Nota do Blog: Não houve foto oficial da visita do embaixador ao túmulo do combatente e foi uma iniciativa dele, fora da agenda oficial.

Link Relacionado: [Vídeo] Embaixador dos EUA conhece história da segunda guerra no RN

 

[Vídeo] Embaixador dos EUA conhece história da segunda guerra no RN

[Vídeo] Embaixador dos EUA conhece história da segunda guerra no RN

Embaixador Chapman com o símbolo da  Atlântico Sul, a United State Army Force South Atlantic USAFSA (Foto: Assecom Parnamirim)

O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, e a consul-geral do Consulado Geral no Recife, Jessica Simon, cumpriram agenda no Rio Grande do Norte entre os dias 24 e 25 de setembro. Entre os compromissos, os diplomatas realizaram visitas oficias nos locais históricos da Grande Natal relacionados com a Segunda Guerra Mundial, quando os norte-americanos montaram bases no nordeste.

Na sexta-feira, 25, a comitiva dos diplomatas visitou o Centro Cultural Trampolim da Vitória (CCTV), em Parnamirim, e o sítio histórico da Rampa, onde ocorreu o encontro dos presidentes Getúlio Vargas e Franklin Delano Roosevelt, no ano de 1943. Eles foram ainda prestar homenagem ao sargento Thomas Browning, o único militar americano que permanece sepultado no Cemitério do Alecrim.

Em Parnarmim, Todd Chapman revelou ter ficado encantado com a história da cidade e a relaçao com os Estados Unidos, se comprometendo em procurar as autoridades dos dois países, com objetivo de estreitar e divulgar mais este conteúdo. O embaixador revelou que é formado em história e se comprometeu em retornar como estudioso, com tempo para ler e se aprofundar no tema.

Ele foi informado das ações que a cidade mantém, como o projeto do Sebrae denominado “Natal e Parnamirim na Segunda Guerra”, o CCTV e o Museu da Rampa.

 

[Foto e Vídeo] Esquadrilha da Fumaça chega a Natal para treinamento

[Foto e Vídeo] Esquadrilha da Fumaça chega a Natal para treinamento

O Esquadrão de Demonstração Aérea da Força Aérea Brasileira (EDA - FAB) chegou a Base Aérea de Natal, na tarde da quinta-feira, 24, onde deve permanecer nos próximos 10 dias em treinamento. Desde o início da pandemia, as apresentações do esquadrão foram suspensas para evitar aglomeração de pessoas e não há previsão de ocorrer enquanto estiver em Natal. A EDA é popularmente conhecida como "Esquadrilha da Fumaça".

Fotos: Leonardo Dantas

Sabe onde era este local em Natal durante a guerra?

Sabe onde era este local em Natal durante a guerra?

Em 1941, um fotógrafo norte-americano realizou diversos registros da cidade de Natal com algumas imagens publicadas pela revista Life, em matéria sobre bases na América do Sul. Outras fotos não chegaram a ser publicadas, contudo e graças à internet, vieram a pública. Uma delas é o registro da loja Agência da Companhia Hamburgueza Sul-Americana do comerciante Ernest Luck – tem um post sobre ele aqui – na Travessa Venezuela, número 42.

Travessa Venezuela, nº 42, na Ribeira (Foto: Leonardo Dantas)

O motivo da foto específica deste local nunca saberemos, porém, especula-se que o fotografo tenha se interessado pela marca ser uma subsidiária alemã. Apesar do Brasil e os EUA não estarem oficialmente em guerra durante quase todo o ano de 1941, o clima já estava tenso e a base de Parnamirim Field quase concluída.

Blogs


Clique aqui e receba nossas notícias gratuitamente!