A Kolluna dá sequência a postagem, no mês de abril, com casos relacionados ao "Dia da Mentira".

A história do rádio no Brasil guarda inúmeros episódios pitorescos, em especial quando se refere ao futebol. Imaginem como era fazer transmissão de uma partida e chegar aos locais mais distantes.

Em 1951, após a má campanha no campeonato estadual, o São Paulo planejou uma excursão a Europa. Paulo Machado de Carvalho era o dirigente tricolor. Homem das comunicações, sério, organizado e que viria a ser um dos grandes responsáveis pela conquista do primeiro título mundial brasileiro em Copas do Mundo, achou de promover um desses jogos fazendo a transmissão “direto de Milão”.

Assim, os jornais convocaram os torcedores são-paulinos a se ligarem na Rádio Panamericana naquele 01.04.1951, a partir das 12h30, a fim de ouvirem o jogo Milan x São Paulo. Ocorre que naquele dia não tinha jogo algum. Geraldo José de Almeida (pai do narrador Luiz Alfredo) e Hélio Ansaldo entraram no estúdio para fazer a locução forjada. Segundo a “transmissão”, o juiz roubava descaradamente para os italianos que “jogavam” pesado, agredindo os brasileiros. Ao fim, a derrota do São Paulo por 4x0 causou revolta nos torcedores do tricolor, enquanto os imigrantes italianos, torcedores do Milan no bairro do Bixiga, faziam sua festa.

“Foi criado todo um clima contra o Milan e contra o juiz, e esse clima foi o que fez com que o São Paulo estivesse perdendo de 4 a 0”, disse Ansaldo, comentando sobre a armação em meio a risos.

A revolta com o trio de árbitros e a comoção são-paulina com a derrota foi tanta que alguns passaram mal, outros pediram que o governo tomasse uma providência contra aquela humilhação do futebol brasileiro em terras italianas, além do que, no dia seguinte, jornais de todo Brasil publicaram matéria como se o jogo fictício realmente tivesse havido.

Sem querer, Paulo Machado de Carvalho provocou uma reação na população paulista quase comparável a Orson Welles, quando narrou a falsa invasão dos extraterrestres aos Estados Unidos.

No dia seguinte, diante da proporção causada, a Rádio Panamericana informou que se tratava de uma brincadeira do “Dia da Mentira”. Os veículos que haviam dado publicidade ao jogo criticaram a emissora, enquanto que os outros se divertiram com a “barriga” dos concorrentes.

Quatro dias depois, o Diário Popular estampou manchete de sua página de esportes: “Agora, não é Primeiro de Abril…”. Com isso, o jornal noticiava que o São Paulo perdera para a seleção da cidade de Bruxelas, por 2 x 1.

Na imagem que ilustra a postagem, os três responsáveis pela pegadinha: Paulo Machado de Carvalho, Geraldo José de Almeida e Helio Ansaldo.

Créditos de imagens e informações para a criação do texto: http://www.literaturanaarquibancada.com/2012/04/o-dia-da-mentira-e-o-futebol.html; A Bola no Ar - O Rádio Esportivo em São Paulo (Edileusa Soares)