O Movimento Sem Terra (MST) voltou a protagonizar cenas lamentáveis no Rio Grande do Norte. E, dessa vez, não se trata de bloqueio de ruas ou invasão de terras alheias. O grupo, no meio de uma madrugada, foi até uma das principais avenidas de Natal para depredar a fachada do escritório do deputado federal General Girão (PSL).

E engana-se que o ataque foi orquestrado sob sigilo. Não. Tudo feito as claras, dentro de uma suposta agenda de protestos, com direito a divulgação no perfil oficial do MST nas redes sociais. "Escracho", disse o dito Movimento. Um crime, digo eu.

Horas antes do vandalismo, integrantes do mesmo MST estiveram reunidas com a governadora Fátima Bezerra, no Centro Administrativo. No encontro, entregaram uma pauta de reivindicações a gestora, que usou o tradicional boné vermelho e tudo mais. Ainda mais cedo, a deputada federal Natália Bonavides (PT) foi recepcionar o grupo quando este montava acampamento na Praça André de Albuquerque, no Centro de Natal.

Não é a toa que o MST tem tanta certeza da impunidade dos seus atos. Pelo menos no RN.