O evento on-line visa discutir e ampliar o conhecimento sobre a arte contemporânea no estado do RN

Qual é o estado da arte hoje? Quais questões estão sendo trabalhadas pelos artistas e legitimadas pelas instituições de arte? Que panoramas para o futuro estão sendo imaginados? O Festival Bólide começa dia 30 de janeiro e segue até 6 de fevereiro com o intuito de apresentar questões que orientam as diferentes práticas em torno da arte contemporânea.  

Palestras e oficinas com artistas locais e nacionais, além de uma exposição virtual com resultados das oficinas, fazem parte da programação do festival que vai acontecer de maneira remota através das plataformas digitais do Youtube Bólide1050 e Zoom.

“A programação do festival é um convite para que estudantes, artistas, professores e a comunidade de forma geral se aproximem da arte contemporânea e ampliem conhecimento sobre as diferentes práticas possíveis nesse campo”, informam as coordenadoras do evento Sofia Bauchwitz e Sanzia Pinheiro.

Programação 

A palestra de abertura acontece sábado, dia 30 de janeiro, às 19h, com o tema “Percorrer/permanecer/emancipar. O que é que há?! Aquelas vidas, novas estratégias,  outras narrativas” e traz uma reflexão sobre estratégias entre a vida, o biográfico e a arte. O momento contará com a participação de Bitu Cassundé, curador e pesquisador cearense com ampla atuação no cenário nacional. Ele já dirigiu o Museu de Arte Contemporânea do Ceará e coordenou o Laboratório de Artes Visuais do Porto Iracema das Artes, em Fortaleza/CE. 

“Acreditamos que será um momento muito marcante para artistas no começo de carreira, para aqueles também que já atuam nesse mundo, mas que precisam, como todos, estar em contato constante com posicionamentos atuais e críticos.”, informa Sofia  Bauchwitz, uma das organizadoras do Festival. 

Durante a semana serão oferecidas cinco oficinas, que já estão com as inscrições encerradas, ministradas por artistas emergentes e consolidados no panorama nacional e internacional como: Sheyla Ayo, Mariana do Vale, Vitorino Brasileiro, Jota Mombaça e Fábio Tremonte. Os encontros estão pensados para estimular a criação de obras e os resultados desses processos ficarão expostos na galeria virtual do Bólide1050, no Instagram.

No encerramento, dia 6 de fevereiro, às 19h, o festival terá a palestra de Maíra Endo, mediadora cultural paulistana e idealizadora do Cortex - Estudos sobre a Autorganização e do Hipocampo.art, um espaço de arte independente, multidisciplinar e digital, criado em 2016. O tema será “Futuros ainda possíveis”, uma apresentação da trajetória de 17 anos dela na cena de arte independente (ou auto-organizada), assim como sua percepção da emergência de um circuito ao longo desse período, além da projeção da visão de um futuro ainda possível a partir da auto-organização e da experiência com seus projetos atuais. 

As palestras serão transmitidas pelo canal do Youtube do Bólide 1050 e serão abertas ao público.

Sobre o Festival 

Todas as atividades serão ministradas por artistas, acadêmicos e profissionais envolvidos em diversos campos da arte contemporânea, como forma de ampliar a noção que se tem do mundo da arte. O Festival Bólide 1050 pretende apresentar questões que orientam as diferentes práticas em torno desse mundo. 

A formação de jovens criadores e de público é um dos pilares do Bólide 1050, projeto de Sanzia Pinheiro com colaboração de Sofia Bauchwitz iniciado em 2017 com a missão de ampliar o conhecimento artístico no Rio Grande do Norte e fortalecer o contato entre a produção local e a produção de fora do estado. 

Temporada de Festivais do RN 

O Festival Bólide 1050 inaugura uma intensa programação de festivais de artes visuais on-lines e por isso surgiu o selo Temporada de Festivais do RN idealizado entre o Bólide 1050, Duas Estúdio de Fotografia e Margem Hub de Fotografia. 

O objetivo do selo é organizar os festivais de arte contemporânea contemplados com recursos da Lei Aldir Blanc RN de maneira cronológica e, assim, potencializar o alcance dos eventos no estado.

Alinhando os diferentes projetos a um selo, é possível apoiar as iniciativas de cada espaço, fortalecer as parcerias entre espaços e agentes culturais e garantir ao variado público do Rio Grande do Norte uma programação diversificada e especializada a cada semana, sem risco de sobrecarregar a agenda e criar grandes incompatibilidades de horário.

Festival Bólide 1050

30 de janeiro a 6 de fevereiro
Transmissão - Youtube Bólide1050 e Zoom