Claudia Rodrigues teve uma piora na sua saúde após suspender remédios para tomar a vacina contra a covid-19 e acabou internada, revelou a empresária da atriz, Adriane Bonato, nas redes sociais, nesta quinta-feira, 15.

Segundo Adriane, os exames que Claudia Rodrigues fez apontaram que ela está tendo um “aviso de possível surto” de esclerose múltipla devido à falta de remédios para tratar a doença crônica que a comediante suspendeu parar receber as doses da vacina contra a covid-19.

No dia 9 de julho, Claudia passou mal e foi internada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. “Ela teve dormência no braço e perna direita, muita cefaleia, febre e confusão mental”, contou Adriane, acrescentando que após teste, covid-19 foi descartada.

Adriane explicou que a interrupção dos remédios para esclerose múltipla aconteceram pois, se tomados entre a primeira e segunda dose da vacina contra covid-19 poderiam causar efeitos, até mesmo a morte.

“Nós optamos pela vacina contra a Covid-19, que era o mais importante, já que a imunidade dele é baixa devido ao transplante”, afirmou em vídeo publicado no Instagram. O intervalo para Claudia voltar a tomar o remédio após a segunda dose seria de três meses, segundo a empresária, “para não correr nenhum risco”.

Exames

“Infelizmente, depois de todos os exames feitos, resultados excelentes de alguns deles – até melhores do que os passados – outros nos levaram a ver que o que ela está tendo é um aviso de um possível surto”, pontuou Adriane.

“Por não estar tomando o medicamento (para tratar a esclerose múltipla), ele não está mais no corpo dela.  Então, a qualquer momento isso (surto) pode acontecer, e a gente não quer porque as consequências podem ser trágicas. Já aconteceu de ter óbito pela quebra de protocolo, e é isso que estávamos evitando fazer (suspender a medicação até que a atriz receba a segunda dose da vacina), mas infelizmente não tem outra saída”, destacou a empresária de Cláudia Rodrigues.

Prevenção de surto

Para prevenir o surto, Adriane afirmou que o remédio chegará nesta sexta-feira, 16, e que Claudia Rodrigues vai tomá-lo.

Ela ainda pediu que as pessoas entrem em uma corrente de oração para que nada de ruim aconteça. “Conseguimos nestes oito anos, juntas, fazer tudo para que ela estivesse tão bem como ela estava. Eu sei que ela vai ficar bem, tenho certeza”, afirmou.

Intervalo entre 1ª e 2ª dose

Adriane Bonato criticou o tempo entre as doses da vacina. Claudia Rodrigues tomou o imunizante da Pfizer, no dia 25 de maio e segundo a empresaria, a segunda dose poderia ser aplicada em um intervalo de três semanas, seguindo os protocolos e indicações da empresa alemã BioNTech.

“Não estou aqui para falar de política. Eu só queria que respeitassem a gente. Por que não escolheram três semanas? Se tivesse sido assim, ela (Claudia Rodrigues) já teria sido imunizada e não estaria passando por nada disso que está passando, porque já teria tomado a medicação (para a esclerose múltipla) e não estaria correndo o risco de até morrer, por causa disso, dessa irresponsabilidade, da má gestão pública”, afirmou.

“Quantas vidas poderiam ter sido salvas? Quanta dor e sofrimento podiam ter sido evitados?”, perguntou aos seguidores.

“Parem com as festas clandestinas, senão isso não acaba nunca. Vamos usar máscara, álcool gel. A luta continua, pode ter certeza”, finalizou.

Com informações de Catraca Livre