A Cosern recuperou 12,5 milhões de kWh de energia com as ações da “Operação Varredura” no primeiro semestre de 2021. Esse volume seria suficiente para abastecer, por um mês, um município do porte de São Gonçalo do Amarante, na região metropolitana de Natal, por exemplo, ou quase 82 mil unidades consumidoras. Para se ter uma ideia, o consumo médio de uma residência potiguar em junho foi de 153 kWh.

Foram realizadas diversas ações de prevenção e combate aos desvios de energia tais como regularização de clientes clandestinos, fiscalização e substituição de medidores, além do uso de tecnologia para evitar fraudes.

Entre os casos de maior repercussão no primeiro semestre, técnicos da Cosern desativam 40 ligações clandestinas de energia na Ceasa, em Natal, em fevereiro, e autuaram pela segunda vez em menos de seis meses um parque de diversões que fazia uso de energia elétrica de forma clandestina em Parnamirim, em maio, colocando em risco a segurança dos frequentadores.

Na última terça-feira (27), equipes técnicas da concessionária voltaram às ruas e desativaram quatro fraudes e 35 ligações clandestinas de energia elétrica (o popular "gato") no Jardim Progresso, Zona Norte de Natal. Em duas ações anteriores, nove fraudes e dez ligações clandestinas foram desativados no bairro Guarapes, Zona Oeste da capital.

De acordo com Júlio Giraldi, Superintendente de Relacionamento com Clientes da Cosern, as ações de combate às ligações clandestinas serão intensificadas até o final do ano. “Vamos investir ainda mais em tecnologia e inteligência para dificultar cada vez mais a realização desse tipo de crime”, declarou Júlio.

O gato de energia é crime previsto no artigo 155 do Código Penal e a pena para o responsável pela fraude pode chegar a oito anos de reclusão. Além de crime, o “gato” representa risco de morte a quem faz e a quem está próximo. A ligação clandestina também provoca perturbações no fornecimento de energia da região e pode causar a queima de eletrodomésticos dos vizinhos.

“No primeiro semestre do ano, a concessionária realizou 24.251 inspeções, identificou 2.354 irregularidades (entre fraudes e defeitos na medição) e cinco pessoas foram presas pela polícia em todo estado’, detalha Gilmar Mikeias, Gerente de Recuperação da Receita da Cosern.

A fraude é quando o consumidor já é cliente da Cosern e manipula o medidor de energia com o objetivo de reduzir o consumo faturado. Já o furto consiste em desviar energia diretamente da rede elétrica da Cosern sem a medição do consumo e o conhecimento da distribuidora.

As cinco distribuidoras da Neoenergia (Coelba (BA), Celpe (PE), Cosern (RN), Elektro (SP e MS) e Neoenergia Distribuição Brasília (DF)) recuperaram, no primeiro semestre de 2021, 331 GWh, energia suficiente para abastecer cerca de 1,8 milhão de habitantes por um mês, população maior do que a de capitais como Recife (PE).

A população pode denunciar as fraudes, de forma anônima e segura, no telefone 116 ou no site da Cosern (www.cosern.com.br).