Em seu primeiro mês de mandato, a vereadora de Natal, Brisa Bracchi (PT), liderou um grupo do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), que provocou depredações no patrimônio público e impediu que eleitores participassem da pré-conferência para escolha dos delegados dos movimentos sociais que votarão a minuta de revisão do Plano Diretor de Natal (PDN).

Após uma manifestação organizada pelo grupo nesta segunda-feira (25), a pré-conferência teve que ser adiada.

O protesto foi considerado como “baderna" pela Prefeitura Municipal que garantiu que o incidente não atrasará a realização das pré-conferências dos outros segmentos que acontecem até a próxima sexta-feira (29).

De acordo com o jornalista Erick Dias, todas as servidoras do local foram aterrorizadas pelos manifestantes liderados pela parlamentar.

“Vândalos liderados pela vereadora Brisa e outras liderança do PT de Natal, protagonizaram cenas lamentáveis na manhã de hoje. Invadiram pré-conferência do Plano Diretor e aterrorizaram servidoras do Município que desempenhavam seu trabalho. Todas mulheres, até uma grávida”, disse o jornalista via Twitter.

Ainda segundo o jornalista, “Os liderados da vereadora e de sua turma, mantiveram as servidoras presas e sob ameaças dentro da quadra até a chegada da Polícia e da Guarda Municipal, além de promoverem um quebra quebra de equipamentos e utensílios. É uma vergonha uma vereadora agindo assim”, escreveu.

O titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb), Thiago Mesquita, acredita que o movimento teve motivação política, justamente por ter sido liderado pela parlamentar.

“Não consigo entender de outra forma, a não ser baderna e motivação política, tanto pelos próprios representantes quanto pela presença da vereadora Brisa, que chegou lá, aplaudiu a ação e se colocou à frente para defender o movimento. O que vimos lá foi um ato antidemocrático e agressivo que atrapalhou as discussões do Plano Diretor", disse o secretário em entrevista à Tribuna do Norte.

A vereadora petista postou em suas redes sociais imagens apoiando o movimento e denunciando o momento em que a Guarda Municipal enfrentou os manifestantes.

“Crianças foram atingidas. Nosso total REPÚDIO à essas agressões. Hoje mesmo entraremos em contato com o Ministério Público. O lucro dos grandes empresários da especulação imobiliária de Natal não vale a vida do nosso povo!”, escreveu a parlamentar.

Ela também acusou o secretário Thiago Mesquita de colocar o dedo na cara dela ao tentar dialogar com o grupo. “Nosso mandato é intransigente na defesa dos movimentos sociais. Não aceitamos intimidação”, disse a petista.