O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, nesta quarta-feira (28/7), que não sabe se vai disputar as eleições de 2022. O mandatário tem repetido essa declaração para afastar acusações de campanha eleitoral antecipada.

Ele vem dizendo que o resultado do pleito do ano que vem será passível de questionamento caso o voto impresso não seja aprovado. Há meses, Bolsonaro tem viajado pelo país para inaugurar obras e participar de eventos políticos, como as motociatas.

“Quanto à política: eu não quero entrar em muitos detalhes agora porque a preocupação é realmente administrar o Brasil. É natural, obviamente, eu tenho que ter um partido político. Eu não sei se vou disputar as eleições do ano que vem, devo disputar, eu não posso garantir”, disse em entrevista à Rádio Cidade Luis Eduardo Magalhães (BA).

E confirmou que tem conversado com diversas siglas. “Entre eles, o Partido Progressistas, ao qual eu integrei por aproximadamente 20 anos ao longo de 28 que eu fui deputado federal”, apontou.

Em busca de uma sigla

Sem partido desde novembro de 2019, quando rompeu com o PSL, legenda pela qual chegou ao Planalto, Bolsonaro tem encontrado dificuldade para encontrar uma nova casa. Ainda em 2019, lançou o Aliança pelo Brasil, mas a agremiação não chegou nem perto de ser criada: os bolsonaristas validaram pouco mais de 20% das assinaturas necessárias na Justiça Eleitoral.

Nos últimos meses, Bolsonaro vinha negociando com o Patriota. Em 31 de maio, o senador Flávio Bolsonaro (RJ) se filiou à legenda e abriu caminho para a ida do pai.

No entanto, convenções do partido para alterar o estatuto da sigla e garantir poderes a Bolsonaro foram contestadas e o presidente da legenda, Adilson Barroso, foi afastado da presidência e tornou-se alvo do Conselho de Ética do Patriota.

Com informações do Metrópoles