O pastor Ezequias Silva, da Igreja Assembleia de Deus Ministério Belém do Pará, em São Paulo, em entrevista ao site Gospelmente, revelou que o Partido dos Trabalhadores lhe ofereceu uma proposta no valor de R$ 4 milhões para que ele apoiasse a chapa de Lula (PT) à presidência da República.

O religioso disse que recusou a proposta indecente duas vezes e disparou:

"Eu não misturo as coisas. Deus não me deu o ministério para vender", explicou.

Por outro lado, o pastor Paulo Marcelo Schallenberger, que aceitou fazer propaganda em favor do petista, já foi preso por posse de drogas e porte ilegal de armas.

À princípio, Schallenberger disse que fazia parte do mesmo Ministério que o pastor Ezequias, mas foi rapidamente desmentido pelo coordenador José Wellington Costa Júnior, afirmando que Paulo Marcelo não teria nem procuração para falar em nome da instituição.

Com informações do Terra Brasil Notícias