Assistentes sociais e outros trabalhadores do SUAS em Parnamirim estão em mobilização pela aprovação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) da categoria, que aguarda votação pela Câmara Municipal desde 2018.

Na semana passada, os profissionais que conseguiram se vacinar contra a Covid-19 antes da suspenção desta prioridade por parte da Justiça aproveitaram para levar cartazes de protesto e pressionar os vereadores e o prefeito Rosano Taveira (Republicanos). 

Atualmente, o Município tem umas das maiores arrecadações do Rio Grande do Norte e segue pagando para trabalhadores do SUAS valores próximos a um salário mínimo, sem qualquer tipo de gratificação, mesmo em um contexto de calamidade pública.

A luta pela construção do PCCS iniciou-se em 2016 pelos próprios profissionais e conta, desde então, com o apoio do Conselho Regional de Serviço Social do RN (CRESS-RN) e outras entidades, levando em consideração as diretrizes do SUAS sobre valorização profissional.

"O Conselho reafirma seu apoio à luta pela aprovação do PCCS, que tem sido tratada com morosidade por parte da gestão municipal, e convoca a população a se unir aos trabalhadores que atuam diretamente na viabilização dos direitos sociais", afirma Angely Cunha, presidenta do CRESS-RN.

Além disso, a conselheira se posiciona sobre a suspenção da vacinação prioritária para o SUAS. "Estes profissionais têm recebido muitas demandas do Judiciário durante o período de pandemia e estão atuando em condições insalubres", ressalta. "A mesma Justiça que demanda trabalho solicita cancelar a vacinação para este pessoal".