O comércio varejista do Rio Grande do Norte registrou um faturamento médio de R$ 85,7 milhões por dia em maio. Esse volume foi o melhor entre os diversos segmentos  contribuintes de ICMS da economia potiguar e representa um crescimento de 35,4% no comparativo com o mesmo mês do ano passado. Essa movimentação diária também foi 5,8% maior que a verificada em abril deste ano, quando o varejo potiguar obteve um faturamento médio de aproximadamente R$ 81 milhões por dia. A atividade vem apresentando desde janeiro um desempenho relativamente estável nas vendas diárias com média que gira em patamares superiores a R$ 80 milhões. 

Essa é uma das principais informações que revela a 19ª edição do Boletim de Atividades Econômicas, que foi divulgado nesta sexta-feira (11) pela Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN). A publicação mostra o desempenho da economia do Rio Grande do Norte a partir de indicadores, como o recolhimento de tributos de competência estadual, número de operações de comerciais e volume negociado pelas empresas contribuintes do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS). O informativo completo está disponível para consulta e download no site www.set.rn.gov.br/.

De acordo com o levantamento, as empresas do atacado foram as que tiveram o segundo melhor faturamento diário no estado no mês passado. O volume médio chegou a R$ 53,7 milhões, acima do que foi movimentado em abril, quando o setor vendeu em média R$ 50,8 milhões por dia, e também superior ao montante vendido em maio de 2020, cuja média diária foi de R$ 42,4 milhões. O boletim revela também que, no quinto mês do ano, as empresas potiguares de todos os segmentos realizaram 956 mil transações de vendas por dia.

A publicação traz ainda dados sobre a arrecadação de impostos e mostra que o Rio Grande do Norte obteve um total de R$ 556 milhões em recolhimento de tributos. Um resultado que é 32% maior que o recolhido em maio do ano passado, quando foram arrecadados R$ 421 milhões. A maior parte desse montante foi referente ao ICMS. Esse tributo acumulou no mês passado algo em torno de R$ 496 milhões. Volume que é 33% maior que o de maio de 2020 – R$ 374 milhões. No mês anterior, o recolhimento de ICMS havia somado R$ 504 milhões.