A Sondagem Indústria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), aponta para um cenário negativo no setor, com queda da atividade e do emprego em maio de 2022 em relação ao mês anterior. No entanto, o desempenho foi bastante heterogêneo entre os diferentes ramos do setor. Construção de edifícios e Serviços especializados tiveram alta, enquanto Obras de infraestrutura apresentou queda. Foram consultadas 400 empresas entre 1º e 9 de junho.

De acordo com a pesquisa, o índice do nível de atividade dos segmentos de Construção de edifícios e Serviços especializados em construção ficaram em 51,2 e 52,6 pontos, respectivamente. Valores acima de 50 pontos indicam aquecimento e abaixo disso retração. E o índice de atividade de setor Obras de infraestrutura registrou 48,3 pontos.

O mesmo ocorreu com o emprego. O índice de evolução do número de empregados ficou em 50,8 pontos no setor de Construção de edifícios e em 51,3 pontos em Serviços especializados. Em Obras de infraestrutura, o indicador foi de 48,3 pontos.

“O setor tem sido muito afetado pelo preço dos insumos”, explica do gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

A distinção entre os setores também pode ser vista nas expectativas. Todos os índices de expectativas do setor de Obras de infraestrutura caíram e passaram a registrar otimismo bem mais moderado em relação ao nível de atividade, número de empregados, número de novos empreendimentos e compra de insumos e matérias-primas para os próximos seis meses.

No setor de Construção de edifícios as expectativas variaram pouco. E no setor de Serviços especializados para construção houve avanço de todas as expectativas para os próximos seis meses.

A Utilização da Capacidade Operacional (UCO) recuou um ponto percentual em relação a abril, para 66%, o segundo recuo consecutivo. Apesar disso, a UCO apresentou o seu melhor maio desde 2014, quando se situava em 70%.