Natal vai sediar a 10ª edição do Congresso Brasileiro de Energia Solar (Cebens), o maior evento científico com foco em energia solar no Brasil.

A candidatura foi defendida pelo Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER), do Sistema FIERN, e a escolha da capital potiguar como sede foi confirmada pela Associação Brasileira de Energia Solar – ABENS, entidade promotora do Congresso.

O Cebens é realizado a cada dois anos. Em 2022, ocorreu em Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina. A edição potiguar será em 2024.

“O assunto energias renováveis como um todo é muito forte no Nordeste. Então trazer o Congresso para a região fortalece o laço com o ambiente mais limpo de geração de energia e, do ponto de vista da ciência, da tecnologia, traz uma série de ganhos”, diz o diretor regional do SENAI-RN e diretor do ISI-ER, Rodrigo Mello.

Ele lista, entre os benefícios com o evento, “a congregação de professores/as, pesquisadores/as e especialistas da área, do Brasil e do mundo, na cidade, a possibilidade de troca de experiências e de ampliação de laços entre entidades, sejam nacionais ou internacionais, para novos projetos que se apresentem no futuro”.

Apresentação

A pesquisadora líder do Laboratório de Energia Solar do ISI, Samira Azevedo, fez a apresentação que culminou na confirmação de Natal como próxima sede e do ISI-ER como instituição que irá coordenar o evento. “Esse era um desejo antigo”, diz ela.

A apresentação incluiu detalhes sobre as atividades do Instituto, realizadas dentro da maior rede de institutos privados do Brasil para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) da indústria – a rede de Institutos SENAI de Inovação – e alinhadas aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, que buscam alcançar, entre outras metas, o fim da pobreza, a redução das desigualdades, o fomento à educação de qualidade e combater as mudanças climáticas no mundo.

Potenciais locais para visitas técnicas durante o Congresso além de possíveis espaços para sediar o evento, bem como infraestrutura hoteleira, turística e gastronomia também entraram como argumentos.

Apresentação e votação ocorreram durante Assembleia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Solar – Ciência e Tecnologia, no dia 25 de maio. A Assembleia integrou a programação do IX Cebens.

Produção científica

A conquista da próxima edição não foi, entretanto, a única realização do ISI no Congresso. A produção científica do Instituto também ganhou destaque, com Samira Azevedo, André Luiz de Oliveira Lira, Alan Rodrigues de Sousa, Bruno do Nascimento e Silva, Julliana L. M. Freire e Maria de Fátima Alves de Matos, da equipe, entre os/as autores/as de cinco artigos apresentados no evento.

Os trabalhos tiveram como títulos Avaliação da degradação de módulos fotovoltaicos policristalinos na cidade de Natal após 4 anos de exposição ao ar livre; Geração de séries sintéticas de radiação solar a partir de dados de insolação horária no Nordeste brasileiro; Avaliação das previsões numéricas de curto prazo da irradiância solar para região de Ilha Solteira – SP; Análise comparativa entre albedo espectral derivado de satélite e medições de albedo em campo: um caso de estudo para validação de bancada móvel e Contribuições no algoritmo de rastreamento do ponto de máxima potência em locais com grande variação de irradiância.

“O Congresso foi muito proveitoso para a equipe do ISI, pois reuniu os principais nomes da comunidade científica na área de energia solar, tanto do Brasil quanto grandes referências internacionais. E foi possível, com o evento, a realização de minicursos, o contato com outros centros de referência, o treinamento da equipe, tudo num único local, além de poder acompanhar o que as comunidade vêm trabalhando e publicando”, diz Samira. “Isso promove uma renovação das ideias para desenvolver novos projetos”, acrescenta.

Também dentro da programação do evento, a pesquisadora participou como convidada do “Solar-Speed-Dating”, uma sessão especial em que especialistas do setor são chamados/as para discutir e esclarecer dúvidas de estudantes e jovens cientistas/profissionais da área de energia solar, sobre o desenvolvimentos em tecnologia, negócios e outros temas.A sessão foi promovida pela ABENS, em conjunto com a Young ISES (International Solar Energy Society) e o Instituto Ideal.

P&D

“Além disso, a inauguração da nossa usina piloto também entrou na grade de programação do Congresso e foi uma oportunidade de mostrarmos um pouco do que estamos desenvolvendo no ISI-ER em parceria com outras instituições de referência na área”, acrescentou Samira, se referindo à Planta Solar Piloto de Módulos Bifaciais – capazes de gerar energia com radiação direta do sol e refletida pelo solo – inaugurada pela CTG Brasil.

O projeto da empresa, uma das líderes em geração de energia limpa no País, foi desenvolvido no âmbito de Pesquisa & Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a UNESP Ilha Solteira e o SENAI, por meio do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis. A Planta foi inaugurada no Laboratório de Energia Solar Fotovoltaica da UFSC, em Florianópolis (SC).