Estudo francês publicado nesta segunda-feira (11) aponta que os vacinados contra a Covid-19 têm nove vezes menos riscos de serem hospitalizados ou de morrer do Sars-CoV-2 que os não vacinados. A eficácia, que parece valer também para a variante Delta, foi comprovada até cinco meses após a segunda dose da vacina.

Este é o maior estudo em termos de população realizado até agora no mundo. Os autores analisaram os dados de 22 milhões de pessoas de mais de 50 anos.

O resultado foi publicado em dois relatórios da Epi-Phare, um grupo científico que associa a Agência Francesa do Medicamento (ANSM) e o Seguro Saúde Nacional francês (Cnam).

Os pesquisadores do Epi-Phare compararam os dados de 11 milhões de pessoas vacinadas de mais de 50 anos, com os dados de 11 milhões de não vacinados, da mesma faixa etária. A comparação foi feita entre 27 de dezembro de 2020, quando começou a campanha de vacinação na França, e 20 de julho passado.

“As pessoas vacinadas têm nove vezes menos riscos de serem hospitalizadas ou de morrerem de Covid-19 que as não vacinadas”, resumiu o epidemiologista Mahmoud Zureik, diretor do Epi-Phare. “A redução do risco de hospitalização de 90%” foi observada a partir do 14° dia após a segunda dose.

As conclusões do estudo francês confirmam as observações feitas em outros países como Israel, Reino Unido ou Estados Unidos. Mas o relatório francês é o “mais amplo já realizado no mundo”, afirma Zureik.

O estudo francês é publicado no momento em que levantamentos realizados no Brasil atestam a proteção proporcionada pelos imunizantes. Um estudo do Instituto de Infectologia Emílio Ribas de São Paulo concluiu que quase 9 em cada 10 pacientes internados no hospital com complicações da Covid-19 entre janeiro e a primeira quinzena de setembro não haviam completado o esquema de vacinação contra a doença. No Hospital Ronaldo Gazolla, em Acari, Zona Norte do Rio, 95% dos 208 internados com Covid não se vacinaram.

Fonte: G1