O faturamento real da indústria e a massa salarial registraram queda em março na comparação com fevereiro deste ano, enquanto o índice de emprego se manteve estável pelo segundo mês consecutivo. Os dados são dos Indicadores Industriais, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa aponta para uma perda no ritmo de recuperação do emprego no início de 2022, o que interrompe uma trajetória de alta iniciada no segundo semestre de 2020.

Além da estabilidade em relação à geração de empregos, os Indicadores mostram que as horas trabalhadas na indústria em março se mantiveram no mesmo patamar de fevereiro. Esse cenário reflete o baixo crescimento da indústria no primeiro trimestre do ano e se soma ao momento de inflação elevada.

O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, lembra que, depois de uma queda nos empregos provocada pela pandemia entre fevereiro e julho de 2020, houve recuperação consistente com 20 meses de crescimento ou estabilidade. “Na comparação com março de 2021, a alta é de 2,7%, mas os primeiros três meses de 2022 mostram a perda do ritmo de recuperação do emprego que se verificou em 2021”, destaca Azevedo.

Entre os indicadores que registraram baixa está o rendimento médio real da indústria, com queda de 0,2 ponto percentual, se juntando aos índices negativos relativos à massa salarial real (- 0,3 ponto) e ao faturamento real (- 0,4 ponto), que acumula o segundo recuo consecutivo.

Por outro lado, a pesquisa mostra que a utilização da capacidade instalada (UCI) se encontra estável em um patamar elevado e acima do nível pré-pandemia. A UCI atingiu 80,9%, o que significa 0,2 ponto percentual abaixo do nível registrado em março do ano passado.