Hoje em dia discutimos a possibilidade de fazer uma carteira digital de vacinacão da COVID e outras doenças. Mas e se nossos animais de estimação tivessem isso também? Pois o app Flockr (iOSAndroid) propõe exatamente isso. É praticamente uma mistura de rede social e veterinário de bolso, com dados como anotações de vacinas, datas de consultas e idas a pet shop do seu cão ou gato.

Além da carteira de vacinação digital, ele traz histórico de peso, lembretes de medicamentos e vermífugos, agenda de visitas ao veterinário e pet shops, histórico de informações médicas, rede social, câmera com recurso para atrair o olhar dos pets e mais de 80 adesivos e filtros de fotos.

Durante sua fase beta, o aplicativo teve aproximadamente 12 mil bichos cadastrados, mais de 200 mil curtidas e 35 mil imagens de pets do Brasil, Estados Unidos, Argentina, Colômbia e Egito. Está disponível em três idiomas: português, espanhol e inglês.

Para o lançamento oficial do app, no começo de agosto, a empresa fez uma parceria estabelecida com a ONG Patas Dadas. A cada novo download, R$ 1 será revertido para a entidade, que recupera animais abandonados ou encontrados em situações de maus-tratos. Eles são destinados à adoção e ao apadrinhamento. A doação, no entanto, tem um teto de R$ 5 mil.

O Flockr foi desenvolvido pela empresa gaúcha Mocka, fundada em 2017 por Matheus Frozzi, Leonardo Reis, Uriel Battanoli e Theodoro Motta. A empresa já criou produtos de tecnologia para clientes como Gerdau, +A Educação (Artmed), Aquiris, Superplayer, TAG Livros e Aegro.

“Em 2020, após três anos de criação de aplicativos para clientes, resolvemos focar em produto próprio, com 100% de dedicação por parte de toda a equipe. O Flockr é a concretização de um sonho”, explica Frozzi. A empresa optou por acumular patrimônio em caixa para poder se dedicar exclusivamente ao projeto.

Para as próximas etapas do app, a Mocka irá desenvolver ferramentas de passeios que monitorem distância e passos dados pelo pet e um mecanismo que salve os locais mais visitados pelo animal (e seu dono, claro) por meio do Google Places. Também pretende estabelecer parcerias com empresas do ramo.

Fonte: Canaltech