Conforme reportagem da revista IstoÉ deste final de semana, as indenizações concedidas pelo governo brasileiro aos chamados anistiados políticos deu enorme salto durante as administrações de Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT. 

"Em 2001, ano de criação da Comissão, foram concedidas 2.970 indenizações. Em 2002, 3.706. Em 2003, após a posse de Lula, o número saltou para 13.237, quase 10 mil processos a mais que no ano anterior. Em 2004, continuou bem mais alto: 9.510. Até que em 2015, o Tribunal de Contas da União (TCU) publicou o acórdão 2.632/2014-TCU-2ª Câmara, determinando maior publicidade e critérios mais objetivos para a concessão dos benefícios. Depois disso, a concessão caiu vertiginosamente. Naquele ano, foram apenas cinco. E depois disso, somente mais duas em 2017", diz a revista.

Entre os muitos nomes beneficiados com a pensão, estão o do ex-presidente do PT Rui Falcão, que recebe R$ 11,7 mil mensais de pensão. Esse também é o montante concedido ao ex-presidente do PT José Genoino, detido na primeira leva de guerrilheiros presos do Araguaia. O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu foi outro agraciado: recebeu uma indenização de R$ 66 mil. O ex-ministro dos Direitos Humanos de Lula Paulo Vannuchi levou R$ 54 mil.