A promotora de Justiça Carmen Eliza Bastos de Carvalho pediu afastamento da investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A oficial teve sua imparcialidade questionada após a repercussão de fotos dela apoiando o presidente Jair Bolsonaro nas eleições.

"Em razão dos acontecimentos recentes, que avalia terem alcançado seu ambiente familiar e de trabalho, Carmen Eliza optou voluntariamente por não mais atuar no Caso Marielle Franco e Anderson Gomes, pelas razões explicitadas em carta aberta à sociedade", informou o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro).