A empresária Luiza Trajano, que comanda a Magazine Luiza, concedeu entrevista a Revista Veja que circula neste final de semana. Incluída entre as apostas iniciais para ser indicada vice de Lula na chapa para a corrida presidencial - antes de surgir a escolha por Geraldo Alckmin -, Luiza revela que jamais foi convidada para a função, mas acabou levando a fama.

Ao ser questionada sobre a reforma trabalhista, foi enfática na defesa da atual legislação, e disse que as mudanças implementadas ainda no Governo Temer estão ajudando "a criar muitos empregos" no Brasil. Confira o trecho da entrevista.

Como a senhora avalia o problema da inflação e do desemprego? As pessoas estão passando fome e a situação está difícil. Houve algumas ações que ajudaram muito, mas nós ainda estamos sofrendo porque, além da inflação, há a taxa de juros alta. Não existe nenhum país que consiga sair de uma catástrofe como foi a pandemia sem o Estado ajudar e injetar dinheiro. Não acho que o governo deve bancar tudo, mas o momento demanda mais investimento público. E, em médio prazo, é preciso fazer as reformas.

Nesse caso, quais delas a senhora considera mais importantes? Uma delas é a reforma da burocracia que existe no país. É preciso simplificar os processos, trazer a digitalização para dentro do estado. Veja o SUS, por exemplo. Várias áreas da instituição são digitais, mas uma não conversa com a outra. Não basta ser digital, é preciso que isso seja eficiente, que facilite a vida das pessoas. Precisamos também aprovar a reforma tributária e promover uma reforma política, mas essa eu acho que vai demorar para sair.

Recentemente, o ex-presidente Lula, líder nas pesquisas, falou em revogar a reforma trabalhista. O que a senhora pensa sobre esse assunto? Essa reforma não dá para tirar. Ela ajuda a criar muitos empregos. Temos de enfrentar as taxas de desemprego com outras soluções.