O ex-presidente da Coreia do Sul Chun Doo-hwan morreu nesta terça-feira (23) (noite de segunda-feira no horário de Brasília) aos 90 anos. A informação é da agência sul-coreana Yonhap.

Chun chegou ao poder em 1979 após um golpe militar, e só deixou o cargo em 1988 após anos de protestos liderados por estudantes.

O político foi visto como um presidente autoritário que ordenou massacres e freou o avanço da democracia sul-coreana. Ele chegou a ser condenado à morte em 1996 pela repressão violenta a um protesto pró-democracia em Gwangju em 1980, mas acabou perdoado e deixou a prisão em 1997.

Por outro lado, Chun esteve à frente do governo em um momento de crescimento econômico e tecnológico da Coreia do Sul, que consolidou o avanço dos Tigres Asiáticos — apelido dado às economias em ascensão no continente.

Ainda segundo a agência Yonhap, o ex-presidente sofria de um mieloma, um tipo de câncer sanguíneo, e morreu em casa, em Seul.

Fonte: G1