A Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (EMPARN) divulgou ontem (12) o balanço das chuvas em 2020 e perspectivas para o período chuvoso no Rio Grande do Norte em 2021. Sobre o balanço do ano passado, as cidades de Natal e Mossoró bateram recordes de chuva diária com seus maiores volumes em décadas.

A cidade de Mossoró, no Oeste potiguar, bateu o recorde de chuva diária com 176,4 mm ocorrida em 29 de fevereiro, sendo este o maior volume diário dos últimos 63 anos.

Já Natal, localizada na região Leste, registrou em maio volumes com 426,1 mm, sendo seu segundo maior índice pluviométrico desde 1963. O primeiro ocorreu em 2011 com 447,4 mm.

O Rio Grande do Norte apresentou chuvas entre as categorias de normal a acima do normal com volume médio de 910,1 mm, superando os volumes esperados nas regiões Oeste, Leste e Agreste. Em termos numéricos, a região Leste foi a que registrou o maior volume acumulado médio observado com 1.313,3 mm, enquanto que o esperado foi de 1.252,1mm; seguida da região Oeste, com 919,7mm, enquanto 790,6 era o esperado. O Agreste acumulou 710mm e o esperado era de 714,5mm. E por fim a região Central acumulou 697,1mm e o esperado era de 627,7mm.