O novo presidente do Banco do Brasil, Fausto de Andrade Ribeiro, escreveu uma carta para funcionários da instituição com os rumos da o trabalho que deseja implementar. Ele falou em compromisso com austeridade, acelerar a inovação e sobre atuar de maneira integrada com o governo federal. A mensagem foi encaminhada nesta segunda-feira (5).

Andrade Ribeiro tomou posse na quinta (1). Antes, ele era diretor-presidente da BB Consórcios, subsidiária do banco. O presidente anterior, André Brandão, renunciou ao cargo por discordâncias com Jair Bolsonaro. O chefe do Executivo federal não gostou do anúncio do fechamento de 112 agências do Banco do Brasil e um programa de desligamento de 5.000 funcionários.

No comunicado aos colaboradores, Fausto de Andrade Ribeiro afirmou que tem o compromisso de conduzir a instituição na missão de “oferecer retornos adequados aos acionistas” e “atuando de forma integrada e sinérgica com as diretrizes do seu controlador, o governo federal”.

Ele listou algumas ações que pretende fazer:

  • Acelerar a transformação digital e a inovação;
  • Buscar a integração de todos os canais da empresa (físico e digital);
  • Fortalecer as linhas de negócios rentáveis do banco buscando ampliar a base de clientes;
  • Compromisso integral com a austeridade e a eficiência na gestão de despesas e investimentos;
  • Priorizar a cadeia de valor do agronegócio, dos grandes conglomerados agroindustriais ao pequeno produtor e aos agricultores familiares, as micro e pequenas empresas, o crédito à pessoa física e o comércio exterior;
  • Efetuar alianças e parcerias estratégicas para ampliar competências que permitam a expansão dos resultados do Conglomerado;
  • Realizar desinvestimentos e reorganização societária em negócios com baixa complementariedade;
  • Ampliar a atuação da Fundação Banco do Brasil, atraindo parceiros privados e públicos para programas estruturantes nas áreas de educação, saúde e assistência social;
  • Investir em treinamento de alta performance, no Brasil e exterior, para qualificar ainda mais nossos jovens gestores e executivos;
  • Valorizar as pessoas, resgatar o “orgulho de ser BB” e aumentar a retenção de talentos.

O novo presidente do banco defendeu o caráter “de mercado” da instituição, junto com a identidade “do Brasil”:

“É de mercado, está listado em Bolsa, tem que ser lucrativo, competitivo e eficiente ao atender mais de 65 milhões de clientes no Brasil e no Exterior; e é do Brasil, porque cada brasileiro é um sócio desse banco, que nos faz ser historicamente compromissados com o desenvolvimento econômico e social do país”, afirmou.

Fonte: Poder360

Ribeiro ainda exaltou a história do banco, como a “única instituição nacional que passou por todos os períodos da história, desde o Império”. Falou ainda que a indústria bancária vive tempos de desafios “de diversas naturezas”, diante da concorrência com novos agentes. “São exemplos desse novo mundo as fintechs, o sistema Pix, o open banking, que exigem novos modelos de negócio em um ambiente financeiro cada vez mais complexo”.