Peritos concluíram que nenhuma pessoa estranha entrou no prédio da deputada do PSL Joice Hasselmann no dia da agressão que ela denunciou ter sofrido.

A Polícia Legislativa da Câmara analisou as imagens de 16 câmeras do circuito interno do prédio onde fica o apartamento funcional de Joice Hasselmann.

Em nota enviada à TV Globo, a Secretaria de Comunicação da Presidência da Câmara afirmou que a Polícia Legislativa “concluiu que a parlamentar não saiu do imóvel de quinta, 15 de julho, a terça-feira, 20 de julho, momento em que teria saído para o hospital”. E que “também não foi identificada a entrada de nenhuma pessoa estranha nesse período”.

Pouco depois, uma segunda nota foi divulgada pela assessoria de Comunicação da Câmara dos Deputados e excluiu essas duas informações.

No meio da tarde desta terça-feira (27), a assessoria de imprensa da Câmara confirmou o conteúdo da primeira nota.

Joice Hasselmann afirma que na madrugada de domingo, 18 de julho, ela acordou caída no chão de casa com ferimentos. A deputada quebrou dois dentes e teve fraturas no rosto e na coluna.

Joice contou ainda que só foi ao hospital dois dias depois do episódio e suspeita que alguém invadiu o apartamento para agredi-la.

A Polícia Legislativa da Câmara enviou o inquérito sobre o caso para o Ministério Público, mas a Procuradoria da República do Distrito Federal devolveu a investigação. O procurador Wellington Marques de Oliveira disse que só vai se manifestar sobre o caso após o término de todos os laudos periciais.

 

Nesta terça-feira, a Polícia Civil do Distrito Federal também fez uma perícia no apartamento da deputada por mais de quatro horas. Os peritos procuraram vestígios de algum invasor no apartamento - como digitais, saliva e pelos. A perícia vai analisar ainda, por meio das manchas de sangue, como poderia ter ocorrido a agressão relatada pela parlamentar.

De acordo com a deputada, o prédio tem falhas de segurança.

Nesta terça, depois que a perícia deixou o local, Joice Hasselmann escreveu em uma rede social, que “a Polícia Civil também viu essas falhas. Não existem câmeras de segurança nas escadas e entradas dos apartamentos” e que há “pontos cegos no prédio”.

Na noite desta terça-feira (27), a deputada disse que vai pedir a instalação de câmeras nesses pontos cegos no andar em que ela mora e que a nota da Polícia Legislativa da Câmara comprova o que ela tem dito - que não saiu de casa naquele fim de semana.

Com informações do G1