Alguns estudos experimentais já apontaram que o exercício pode ser um fator desencadeante da enxaqueca, mas novos estudos têm mostrado um novo lado para essa relação.

Achados científicos mais atuais indicam que o treinamento físico aeróbio pode ter resultados terapêuticos positivos para pacientes (adolescentes e adultos) com enxaqueca, reduzindo a frequência e a intensidade das dores de cabeça, peso corporal e comorbidades psiquiátricas, além de melhorar a qualidade de vida desses pacientes sem causar efeitos colaterais e sem custos significativos.

Uma pesquisa feita na Universidade Federal de São Paulo estudou 50 pacientes com diagnóstico de enxaqueca crônica divididos em dois grupos: metade dos pacientes fez uso de uma medicação preventiva diariamente, enquanto a outra metade fez uso da mesma medicação diariamente e também praticou atividade aeróbica de forma orientada, três vezes por semana. Após três meses de acompanhamento, todos os pacientes apresentaram melhora do seu quadro com redução na frequência, intensidade e duração das crises de dor de cabeça. Entretanto, o grupo que também realizou atividade aeróbica apresentou uma melhora significativamente maior em todos esses parâmetros, e ainda uma redução do Índice de massa corpórea (IMC), ou seja, perderam peso.

“Claro que a intensidade e frequência do treino precisam ser adaptadas a cada caso, mas é animador ver como a cada dia descobrimos um novo benefício da prática regular de exercícios físicos”, destacou o personal trainer Henri Hervani.