No último domingo (4/4), Zé Alexanddre se tornou o vencedor do The Voice+. No entanto, de acordo com fontes da coluna do Léo Dias, esta vitória teria sido fraudada por bots – aplicativos robôs que votam sozinhos. Um funcionário da Rede Globo, com acesso aos dados, teria percebido o crescimento intenso e repentino do candidato, que ultrapassou Leila Maria, até então em primeiro lugar na votação.

Quando a notícia do suposto uso de bots no The Voice+ se espalhou entre os desenvolvedores nos bastidores do programa, um profissional que trabalha com esse tipo de aplicativo teria sido procurado para reverter a votação a favor de Leila Maria. Porém, ele teria revelado que não poderia ajudar a cantora porque já havia sido contratado para fazer o serviço para Zé Alexanddre.

O curioso é que o filho do cantor, Amure Pinho, é empreendedor do ramo de tecnologia e investidor-anjo de diversas startups. Ou seja, teria fácil acesso a desenvolvedores de aplicativos.

A coluna entrou em contato com a Rede Globo, que negou qualquer possibilidade de fraude na votação do The Voice+. Leia a nota na íntegra:

“Repudiamos com veemência a suspeita. Nossos monitoramentos internos mostram que os padrões de votação dos finalistas do The Voice+ foram normais, sem qualquer desvio que possa indicar concentração exagerada de votos por horário, origem ou qualquer outro parâmetro. Monitoramos constantemente as curvas de votação em todos os nossos realities para identificar e mitigar quaisquer riscos de interferência no sistema, através de algoritmos que acompanham o processo de votação permanentemente, a fim de rastrear comportamentos não-humanos. Utilizamos diferentes mecanismos para garantir a segurança da votação, dentre eles, o captcha. Além dele, há outras camadas de segurança no nosso sistema capazes de rapidamente identificar um robô e neutralizá-lo. Desta forma, a especulação sobre uma suposta ação de robôs ou interferência humana não corresponde à realidade”.

Metrópoles