A receita para perder peso é conhecida: comer menos do que se gasta. Porém, para ganhar massa muscular, o processo é um pouco diferente e depende de muitos fatores. Algumas das ferramentas mais populares para alcançar o objetivo são o whey protein, os suplementos, os shakes pré-treino e a dieta.

A nutricionista Isabella Zago ensina que, para ganhar massa muscular, não se deve fazer dietas restritas, cortando de vez os carboidratos, mas apostar no consumo de proteínas, alimentos antioxidantes, beber bastante água e fracionar as refeições ao longo do dia.

Ela explica que, apesar de muito indicada para a perda de peso, a dieta low carb não é recomendada para quem quer ganhar massa muscular. “O desempenho e recuperação de um treinamento de força depende da disponibilidade de glicogênio muscular. Se os estoques estão baixos, a síntese proteica pode ser comprometida, interferindo na resposta adaptativa, diminuindo força, desempenho e prejudicando o processo de hipertrofia”, afirma.

uso de suplementos, apesar de muito comum, é visto como um facilitador do aumento de massa magra, trazendo praticidade para a dieta, mas a nutricionista não considera que sejam essenciais — cada caso é um caso.

Os shakes pré-treino também são úteis, diz Isabella, mas ela reforça que, idealmente, a oferta de energia deve ser feita durante todo o dia pela alimentação — assim, não seria necessária a suplementação ou o uso de doses emergenciais antes do treino.

“O alimento tem função de promoção de energia, recuperação dos tecidos e reservas energéticas, por isso a importância de se pensar nessa distribuição ao longo do dia. O pré-treino pode ser todas as refeições que antecedem sua sessão de treinamento”, ensina.

No fim das contas, o ideal, segundo ela, é apostar em uma dieta equilibrada, um planejamento de treino personalizado e noites de sono de qualidade. Se o paciente tiver que escolher entre whey protein, shakes, suplementos ou regime, a nutricionista é categórica: “Dieta, com certeza”.

Fonte: Metrópoles