Quatro homens armados invadiram uma escola na zona rural de Mossoró nesta quarta-feira (8), renderam funcionários e alunos e fizeram um arrastão.

O crime aconteceu por volta das 15h40, na Comunidade Passagem de Pedras. Os criminosos chegaram a pé e entraram pelo portão da frente. Segundo funcionários, a escola não tem porteiro, nem segurança.

Funcionários que preferiram não se identificar contaram que os bandidos ameaçavam a todos o tempo todo. “Começaram a colocar todos dentro de uma sala de aula e pegar todos os nossos pertences, sempre avisando que iriam ‘passar fogo’. Mostravam as armas o tempo inteiro. Os alunos estavam pânico”, disse um dos funcionários.

Depois de colocar todas as vítimas em uma sala, o bandidos fizeram um arrastão em todos os espaços da escola e, em seguida, fugiram levando pertences das vítimas, objetos da escola e o carro de um dos professores. O assalto durou cerca de 15 minutos.

Policiais a Companhia Independente de Polícia Rodoviária Estadual (Cipre) foram informados sobre o assalto e foram até o local. No trajeto, eles se depararam com os criminosos no carro que tinham roubado.

Os criminosos foram perseguidos pelos policiais e houve troca de tiros. Os suspeitos acabaram batendo o carro em uma árvore e fugiram por dentro do matagal.

Os policiais conseguiram recuperar os itens roubados como celulares, relógios, algumas joias, impressora, equipamento de som e outros objetos. Os funcionários da escola registraram boletim de ocorrência.

Em nota, a prefeitura de Mossoró informou que a Secretaria Municipal de Educação (SME) e a Secretaria Municipal de Segurança Pública, Defesa Civil, Mobilidade Urbana e Trânsito (SESDEM) estão trabalhando para implantar um sistema de monitoramento eletrônico nas unidades de ensino da rede municipal.

A nota diz ainda que a SME também está providenciando a contratação de porteiros para escolas e Unidades de Educação Infantil (UEIs).

“As Secretarias de Educação e de Segurança já estão tomando todas as medidas necessárias para inibir ações dessa natureza”.

Com informações do G1 RN