A FIERN e o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) vão firmar uma parceria para avaliar a viabilidade de instalação de um polo minero-químico e industrial no Rio Grande do Norte. O presidente da FIERN, Amaro Sales de Araújo, e o ministro Rogério Marinho assinam nesta sexta-feira (3) um acordo de cooperação técnica (ACT) para a elaboração dos estudos necessários à concretização do empreendimento. O evento será às 14h30 na sede da Federação.

 

O acordo de cooperação técnica prevê atuação conjunta das instituições para avaliar a viabilidade do complexo minero-químico e industrial na região Oeste do estado. Para tanto, serão atualizados estudos feitos pela FIERN com o mesmo objetivo. Os trabalhos deverão ser concluídos em seis meses, a contar da publicação do instrumento no Diário Oficial da União, com possibilidade de prorrogação. A parceria não envolve repasses de recursos ou encargos entre as partes.

 

O projeto abrange municípios da região Oeste. Um dos atrativos do polo é a presença das matérias-primas necessárias (gás, minérios e sal) para a efetivação de uma série de cadeias produtivas: PVC, cloro, soda, magnésio metálico, bromo e derivados, barrilha, vidro e sabão em pó.

 

“O Rio Grande do Norte tem amplas potencialidades para se desenvolver, atrair investimentos, gerar riquezas e retomar um crescimento nestes setores e, ao mesmo tempo, abrir novas perspectivas que nos estudos realizados pelo Mais RN demonstram serem viáveis. Por isso, essa iniciativa conjunta que vamos assegurar por intermédio da parceria entre o Sistema FIERN e o Ministério do Desenvolvimento Regional é tão oportuna para o Estado”, afirmou Amaro Sales.

 

Há previsão de ser construída uma usina de geração de energia para as indústrias que se instalarem no empreendimento, além de um novo porto offshore na região para atender a logística demandada pelos investimentos a serem realizados. A projeção é que sejam necessários ao menos US$ 2,6 bilhões para a implementação do polo. Estudos preliminares apontam que poderão ser gerados cerca de 7 mil empregos diretos e indiretos quando o projeto for concluído.

 

“A expertise do Sistema FIERN na pesquisa voltada ao atendimento de demandas da indústria e na formação profissional será muito importante para que esta parceria tenha êxito e este projeto obtenha os resultados que o Rio Grande do Norte precisa”, disse Amaro Sales.

 

“Este é um projeto muito importante e com um potencial enorme de geração de emprego e renda para o Rio Grande do Norte. É um dos maiores projetos de desenvolvimento não só do Estado, mas de todo o Nordeste. O MDR vai dar todo o suporte para que possamos ter a viabilidade desse empreendimento atestada. Ao apoiarmos a FIERN, estamos estimulando o desenvolvimento regional, que é uma das atribuições principais do MDR”, afirma o ministro Rogério Marinho.

 

“Esse projeto pode reconfigurar a economia do Rio Grande do Norte. Ainda está em estágio inicial, mas está caminhando, com interesse firme de investidores e do poder público”, diz o economista Carlos Duarte, idealizador do projeto. Em 2020, ele apresentou a proposta ao ministro Rogério Marinho.