O superintendente da Maternidade Janunário Cicco, Dr. Murilo Britto, desmentiu uma nota da Secretaria de Saúde do RN (Sesap) acerca da superlotação em maternidades públicas da capital potiguar. Segundo a Sesap, a situação se dá em função da solicitação da Maternidade Escola Januário Cicco em desviar todo o fluxo de alto risco por estar com sua capacidade máxima. As informações são do Blog do BG.

O superintendente da Januário Cicco, Dr. Murilo Britto, desmentiu a versão: “A Secretaria não deveria nunca dizer isso, que a culpa é da Maternidade Januário Cicco, muito pelo contrário. A gente sempre deu a mão quando precisou. Desde 2013 que a gente atende 40%, 50% acima da nossa capacidade para ajudar o Estado”, disse o superintendente.

Dr. Murilo diz ainda que existe um número de vagas determinado em contrato entre a secretaria e a Januário Cicco e que a maternidade chega a atender mensalmente 40% e até 50% a mais do que reza o contrato. “Então é por isso que nossos corredores vivem lotados. Nós temos aqui profissionais esgotados porque em casos de superlotação prejudicam nossa programação”, conta.

Ele também afirmou que esta situação atrapalha a função primordial da instituição que é a de ensino. “A Maternidade Escola comporta várias residências médicas e essa formação de profissionais está sendo prejudicada pela quantidade excessiva de pacientes que a regulação da Sesap nos encaminha”, explicou. “Eu fico pensando se não existisse a Maternidade Januário Cicco nesse estado o que seria das mães do RN”, complementa.

Dr. Murilo disse também que a Januário Cicco “nunca deixou de ser parceira, a melhor que o Estado tem. Mas a responsabilidade é do próprio secretário de Saúde do Estado e da governadora. Eles têm que resolver essa situação”. Ele questiona também porque a Sesap não amplia o atendimento no Hospital Maria Alice Fernandes e também não busca melhorar o pré-natal das gestantes nas cidades do interior. Murilo conta inclusive que ofereceu a Maternidade para oferecer cursos de capacitação para profissionais que atuam no interior do Estado com o objetivo de melhorar a assistência.

Neste fim de semana, o Blog do BG publicou imagens do caos vivido nos últimos dias no setor obstétrico do Hospital Santa Catarina, no bairro Potengi, Zona Norte de Natal, ocasionando superlotação na Maternidade Escola Januário Cicco que acaba absorvendo a demanda não só do município mas também do Estado.

Os profissionais médicos relatam condições desumanas, com gestantes e recém-nascidos no corredor e bebês prematuros fora de UTI Neonatal. Há também relatos de falta de insumos na rede estadual como compressas e jelcos (material usado para introdução de medicação na corrente sanguínea).

Com informações do Blog do BG